domingo, 6 de novembro de 2016

1ª Feira do Livro de São João do Polêsine (por Diego T. Hahn)



Pois no início do recém concluído mês de outubro, este carinha que aqui escreve teve o prazer e a honra de participar da 1ª Feira do Livro de São João do Polêsine (RS).


Convidado a bater um papo com a gurizadinha das escolas locais na faixa dos 6 aos 9 anos, fui surpreendido com uma bela participação dessa galerinha, com boas colocações e desconcertantes questionamentos a respeito da minha obra infantil "Todas as crianças do mundo", a qual eles haviam lido e trabalhado previamente na escola.


Mas talvez mais surpreendente ainda tenha sido dar de cara após o bate-papo com o "varal" exposto na praça da cidade com desenhos que as crianças haviam feito também inspiradas em passagens do livro!


Agora, portanto, com licença que eu vou me gavar! - pois, apesar dos milhões que ganho com as vendas dos livros - rá - , não há dinheiro que pague uma espécie de "homenagem" dessas (e eu que já tava achando que, tal qual qual algum Van Gogh da vida, só ia ter meu talento reconhecido depois que batesse as botas!...). Então, seguem algumas (várias! - pois fotografei um por um dos desenhos, claro) fotos abaixo:

























Em suma: não resta que mais uma vez agradecer pelo convite, pela oportunidade, por essa parceria, enfim, e parabenizar a Prefeitura de Polêsine (especialmente pela "ousadia" de arriscar investir ainda em cultura em tempos tão bicudos!) e todo o pessoal da organização, por, apesar de todas as eventuais dificuldades - aquelas de ordem logística, que (apesar de não as ter percebido - do que presenciei, a Feira saiu "redondinha"!) seriam naturais de uma "primeira vez", além das já sabidas financeiras (e onde não?, não é mesmo!?) e, ao mesmo tempo, até da tradicional resistência de parcela da população ao uso de recursos para eventos do gênero - , ter feito uma Feira tão legal, mostrando que, quando há vontade, não é tão difícil assim e dá sim para se fazer!


 
 

É isso aí: Parabéns, Maria Claci, Thayse, e turma!


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Allez, Xiru!



Temos a honra de divulgar também aqui no De Letra esta fantástica empreitada transoceânica do Xiru Lautério: o personagem guasca de Mestre Byrata circula a cavalo a essas alturas pelas Xâmps Elisê da vida, participando do 4º Festival do Rio Grande do Sul em Paris, para o qual foram ambos, criador e criatura, convidados a dar um chego!



Lá, entre outras atividades nas quais o Mestre estará envolvido, ocorrerá o lançamento da aventura trilinguística do Xiru: a edição de Xiru e os Dinossauros nas versões em francês, espanhol e italiano (esta última, fruto de orgulhosa - e assaz desafiadora! - missão tradutória para este que aqui escreve) - em breve à mão também aqui por estas bandas, claro, aguarde!

Félicitations e bonne chance, Byrratá!

(por Diego T. Hahn)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Sobre textos e berinjelas (de Juliano Lanius)


Depois de mil anos... (não, não era ressaca de três meses pós-lançamento - ver post anterior - , mas vida que segue - ou, que ferve - mesmo, mil empenhos profissionais, aquela velha história - já devemos ter escrito isso aqui no blog algumas vezes - observação que creio que nos dê algum crédito, se não por motivos de criatividade, ao menos por evitarmos - ainda - nessas circunstâncias o - sempre tentador - uso do famigerado "control c, contro v").

E, enfim, bem em consonância com essa retomada aqui, eis esta singela ode à escrita, do camarada Juliano.


Quando lá pela sexta série, eu estudava em uma escola estadual, situada no bairro onde morava. Uma escola antiga, necessitada de reformas, que hoje já são realidade. Em uma das aulas de português da professora Hilda*, nos foi dado como tarefa uma redação. Ou melhor, a tarefa era justamente escrever uma. Não recordo do tema e, para ser sincero, nem sei se havia um. Mas, lembro que a professora requisitou algo bem “elaborado”. Como se todos os alunos soubessem o que significava aquela palavra. Pois bem, fomos para nossas casas com a missão de entregar o texto “elaborado” na próxima aula.

Sempre gostei muito de música. Escrevia as letras das minhas favoritas e ficava cantando, junto com a fita cassete que tocava no meu “Dois em Um” – na época, meu aparelho de som tinha somente as funções de rádio e toca-fitas. Recordo-me de um rap que chamou a minha atenção. Nos meus sonhos, queria fazer letras iguais àquela. Eureka! Era isso! Eu tinha descoberto a maneira ideal de receber uma nota dez na redação e ainda ser elogiado pela escrita bem “elaborada”. Até aquele momento, eu não desconfiava que as professoras escutassem rap. Pois, a minha, escutava. No dia da devolução do texto corrigido pela professora, aprendi o significado da palavra plágio. E nunca mais esqueci. Ainda bem que a professora teve a sensatez de não me apontar o dedo perante os meus colegas. Ela somente disse que o aluno que tinha tentando enganá-la – no caso, eu – deixasse outro texto em sua mesa na próxima aula. Mas, desta vez, de autoria própria. Foi o que fiz.

Naquela época, eu achava muito difícil escrever. Quase nunca sabia por onde começar. Quando o tema era livre, sem assunto pré-determinado, sem, ao menos, uma dica para incitar a inspiração, ficava imaginando mil coisas. Contudo, não possuía a destreza de colocá-las no papel. Pensava que o título deveria ser o começo de tudo, sendo que não havia a necessidade de se ter uma ordem específica. E aquele negócio de introdução-desenvolvimento-conclusão não entrava de jeito nenhum na minha cabeça. Apesar de que ainda não entrou totalmente. Por que a conclusão tem que ser a última? Por que não posso concluir alguma coisa antes do fim do texto? O que impede que o desenvolvimento se desenvolva na parte introdutória?

Hoje, entendo que escrever é tentar transmitir a uma caneta – no meu caso, uma lapiseira – e um papel toda ânsia que me rói as unhas. Contudo, para um aluno da sexta série, isso era quase impossível. Crianças desta idade geralmente não roem as unhas. A ansiedade delas somente aparece nos dias de entregar aos pais o boletim. Este era um dos únicos momentos em que eu lavava a louça e limpava o meu quarto com prazer. Claro, qualquer coisa que amenizasse o impacto da minha mãe ao ver minhas notas já era uma vantagem. Em verdade, nunca fui mau aluno. Executava as tarefas até antes dos meus colegas. Mas ficava azucrinando a todos quando não tinha mais o que fazer. Hiperativo, como sempre.
Quando nos dispomos a escrever, o fazemos com base nas lembranças, nas ideias e nas crenças que possuímos. Tudo o que escrevemos vai ter, nem que seja, uma pontinha do nosso nariz a aparecer. E acredito que é exatamente deste jeito que deve ser. Devemos nos mostrar, mesmo. Afinal de contas, se fosse para escrever o que os outros já escreveram, com a imparcialidade que não caracteriza os escritores, bastaria tirar um xerox. Eis aqui um dos motivos do meu gosto pela escrita. Sou eu aqui, posso falar de tudo um pouco, e mais um pouco, e mais um pouco...

De uns tempos para cá, quando escrevo, apesar do tempo que me mantive afastado das letras, os temas têm me surgido mais facilmente. Qualquer fato, objeto ou situação que possa parecer propícia a um relato vira texto. Não me considero um escritor assíduo, pois não escrevo todos os dias. Talvez, um dia, escreva mais. Por enquanto, só estou me divertindo. Às vezes, enquanto escrevo, algumas gargalhadas são inevitáveis. Meus vizinhos provavelmente pensam que não passo de um retardado ou de um bêbado que ri sozinho dentro de casa. O que posso fazer? Os motivos da escrita muitas vezes são tão absurdos e inesperados que não seguro uma boa risada.

Espero que a escrita me acompanhe ainda por um bom tempo, para não dizer para sempre. Que todos aqueles que leem estas linhas consigam, também, escrever alguma coisa qualquer sobre qualquer coisa. Se não gostarem do exercício é só não fazer de novo. Nunca tinha comido berinjela e sempre dizia que não gostava. Até o dia em que experimentei as berinjelas empanadas da minha mãe. Maravilhosas! Escrever é isso. Experimentar e saber decidir se te agrada ou não. Arriscar, sem ter medo de errar. Errar, e saber que pode consertar. Consertar, e aprender que é bom errar. Sem medo, sem culpa, só escrevendo.


* O nome verdadeiro da professora foi preservado. ... Tá bom, eu confesso. Não lembro.



sábado, 16 de abril de 2016

Fragmentos de reflexões (por Diego T. Hahn - citando "vários")


Bom, talvez por preguiça - ou medo! (Brincadeirinha) - de emitir aos quatro ventos virtuais uma posição pessoal escrita (e já que, também, considero que esta vale ouro e procuro então não desperdiçá-la assim no mais) pública, oficial e definitiva (como alguns conseguem com tanta facilidade??, na verdade me pergunto...) a respeito de "tudo isso que está rolando aí" (e principalmente para não soar repetitivo, até porque quase tudo já foi escrito e reescrito por todos especialistas ou pseudo-especialistas ou meros reprodutores de notícias, opiniões e mesmo boatos...), vou fazer também eu, meio calhordamente, exatamente isso: simplesmente citar aqui resumex de algumas passagens (de textos, entrevistas, notícias, etc, algumas de umas figuras que pensam mais ou menos como eu, mas que analisam e escrevem bem melhor! - Ok, tem também uma - genial (e internacional) - intervenção direta minha...) que li ou ouvi aqui e ali recentemente e que julgo interessantes para uma reflexão mais ponderada de todos nós (correndo o risco de chegar atrasado, é verdade, pois talvez você só venha a ler isto pós-fatídica-votação-do-impeachment mesmo, mas, enfim, que sirva ao menos um tantinho para que futuramente não nos demos conta, com um sorriso meio amarelo, que "Putz, me enganaram...", ou, pior, "Putz, ME ENGANEI!..."):


Antonio Prata, escritor, sobre dúvidas:

"...'Eu realmente não consigo tomar nenhum lado', confessei. 'Eu também não', disse a Marina. 'Mas será que tem lado? Talvez achar que tem um único lado a ser defendido seja o que justifica as barbaridades de todo mundo. É errado o Lula frequentar um sítio reformado de graça por empreiteiras. É errado a Justiça fazer a condução coercitiva do Lula enquanto investiga o sítio. É errado colocar o Lula de ministro pra fugir da Justiça que o submete a coisas como a condução coercitiva. É errado vazar os grampos do Lula pra imprensa porque ele virou ministro. É um erro alimentando o outro. Enquanto isso, o país sangra e as pessoas piram. Aonde é que vai parar?'
'Você pensa em fazer o quê, Marina?'. 'Já disse que eu não sei. Mas eu tô assustada. Eu não quero que, tipo, daqui a uns seis meses, um ano, aconteça uma desgraça e eu olhe pra trás e veja que eu tava de braços cruzados. Tá meio fevereiro de 1964'. 'Meio Venezuela'. 'Total Venezuela'. 'Cê acha que vai rolar alguma desgraça? Cê acha que vai ter golpe militar? Guerra civil?' Sei lá! Mas o clima tá péssimo e só piora. Teve um pau no WhatsApp da família. Meu tio petista brigou comigo porque eu disse que a Dilma afundou o país e meio tio tucano brigou comigo porque eu disse que os anos Lula foram os melhores da história do Brasil. Ele disse: 'Mas isso não justifica a corrupção do PT!'. Eu disse: 'Claro que não! E o Fernando Henrique estabilizar a moeda também não justifica comprar a emenda da reeleição! E a emenda da reeleição não cancela tudo de bom que o Fernando Henrique fez. Ninguém é santo, ninguém é monstro. Nada é tão preto no branco, nada é tão vermelho ou amarelo."

(Texto "Nada é tão vermelho ou amarelo" na íntegra: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/antonioprata/2016/03/1752017-nao-e-tao-vermelho-ou-amarelo.shtml)

 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Cláudia Laitano, jornalista, sobre os "extremistas" ao nosso redor (aqui, ao nosso lado!) e a necessidade de a uma certa altura se tomar coragem e dizer para eles "Peraí; não é bem assim...":
 

"...Devo deixar que os outros façam os discursos mais delirantes até que esvaziem o pote até aqui de mágoa que trazem no estômago, evitando assim um bate-boca ou um mal-estar, ou sou moralmente obrigada a romper a ladainha com um singelo 'não é bem assim', 'isso seria crime', 'na democracia isso não é permitido'? A partir de que momento o silêncio deixa de ser neutro para tornar-se covarde ou cúmplice?
Nos últimos tempos, a violência verbal, dentro e fora dos táxis, deixou de mirar apenas os 'suspeitos de sempre' - bandidos, políticos, torcedores do time adversário - para se espalhar para um grupo maior e mais difuso: gente mais rica ou mais pobre, mais à direita ou à esquerda, vizinhos, conhecidos do Facebook. Em um contexto de insegurança e instabilidade, é fácil ceder à impressão de que estamos em guerra com o resto do mundo e que portanto todas as reações, mesmo as mais irracionais, se justificam. Afinal, estamos defendendo nossa cidadela - a família, o emprego, as ilusões.
Nesse ambiente, acalmar os ânimos mais exaltados e chamar o interlocutor, real ou virtual, à razão talvez tenha deixado de ser uma opção para tornar-se um imperativo ético."

 Texto "Pedras e Setas" na íntegra: http://www.scoopnest.com/es/out/?url=https://t.co/cGHnh3sSTa&id=708321805178642432 )

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Novamente Antonio Prata (fera), agora sobre autocrítica:

"Se aqueles que, como eu, se identificam com muitos ideias da esquerda fizermos vista grossa pros descalabros petistas, não teremos moral para acusar o Ministério Público de fazer vista grossa para os descalabros da oposição.
Outro dia, um amigo veio me dizer que a autocrítica da esquerda era fundamental, mas que agora não era o momento. Acho que ele se equivoca não só eticamente como taticamente. Eticamente, é claro, pois não existe nenhum momento em que possamos compactuar com o crime, a burrice e a incompetência. E taticamente, pois o silêncio da esquerda em relação aos crimes, burrices e incompetências durante o tempo em que o PT está no poder passa a ideia de que a esquerda compactua com a corrupção e o malfeito, de que a corrupção é um mal da esquerda, só da esquerda e que eliminar a esquerda, por meios legais ou ilegais, é o Emplasto Brás Cubas que sanará todos os males de nossa melancólica humanidade - é esse o pensamento que põe a classe média diante da Fiesp e o Bolsonaro nos ombros da multidão.
Sim, há um golpe em curso: um Congresso podre, capitaneado por sua figura mais nefasta, Eduardo Cunha, move um processo de impeachment, em nome da legalidade, para entregar o país nas mãos da Cosa Nostra tupiniquim, o PMDB. (E o PSDB, cujos escândalos de corrupção e citações nas delações, curiosamente, escapam como peixes ensaboados das mãos do Judiciário, já discute a participação no futuro governo.) Mas, diante do panorama de absurdos de todos os lados, o brado 'Não vai ter golpe!' parece não dar conta da complexidade da situação."

(Texto "Crítica e Autocrítica" na íntegra: http://nao.usem.xyz/7gf0)

 -----------------------------------------------------------------------------------------------------


Fábio Prikladnick, jornalista, sobre a tal radicalização/polarização política no país (e a dificuldade de 80% da população de pensar por conta própria, acrescentaria eu):

"Sei que você não pode perder nem um minuto porque daqui a pouco já vai sair uma reviravolta no noticiário, mas vamos arranjar um tempinho para ler sobre história, filosofia, ciência política. Vamos testar nossas certezas."

(Texto "Calma, gente!" na íntegra: http://zh.clicrbs.com.br/rs/opiniao/colunistas/fabio-prikladnicki/noticia/2016/03/calma-gente-5202674.html)

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Raúl Castro, Presidente Cubano, respondendo a uma jornalista americana que o questionara sobre não-respeito aos Direitos Humanos (e, complementaria eu, fazendo ao mesmo tempo um mea culpa e um singelo ensaio sobre hipocrisia):

"Que país respeita todos os Direitos Humanos? Você sabe? Eu, sim... Nenhum!".

(https://www.youtube.com/watch?v=xdUH2uGpWQo )

-------------------------------------------------------------------------------------------------------


Eu, ao ver, surpreso, apresentadora de jornal da "grande mídia" tupiniquim citando quase com certa alegria o nome do presidente sírio Bashar al-Assad (quando normalmente ela e colegas costumam fechar o semblante e assumir um ar soturno ao se referir àquele ditador malvado, bobo, feio e chato) ao noticiar a libertação da cidade de Palmira pelo exército daquele país das mãos do Estado Islâmico:

"Caramba! Pra ver como são as coisas..."

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Eliane Brum, jornalista, sobre a o papel da imprensa nessa zoeira toda:

"... Ao mesmo tempo, com os sites dos jornais precisando ser abastecidos, há muita pressa. E é difícil fazer bom jornalismo com pressa. Assim, também podemos testemunhar jornais e noticiários de TV 'comprando', ou mesmo aderindo a versões, e apresentando-as como verdade. E, pior do que isso, apresentando-as como a verdade inteira. Acho que setores da imprensa brasileira terão que dar muitas explicações para a História sobre o seu papel na atual crise."

  (https://zerohora.atavist.com/em-pauta-zh)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

PS: Detalhe: alguns links levam a páginas onde se requer assinatura de jornal... então, se quiser MUITO lê-los na íntegra, talvez tenha que assinar a tal publicação - não é o que eu faço: simplesmente (ou não tão simplesmente assim) me prestei a transcrever das edições impressas que tinha em mãos mesmo... então, se quiser muito lê-las e não quiser assinar as tais publicações, posso também emprestar as matérias no papel (isto é, se já não foram pro lixo seco lá!...).

PS2: Ah, acho que essa notícia ("Notícias falsas são campeãs de compartilhamento na web") é pertinente também!: http://www.msn.com/pt-br/noticias/crise-politica/na-semana-do-impeachment-3-das-5-not%c3%adcias-mais-compartilhadas-no-facebook-s%c3%a3o-falsas/ar-BBrRgYh?li=AAggXC1&ocid=mailsignoutmd

PS3: E aí, deu pra sacar afinal se sou coxinha ou petralha??

quinta-feira, 31 de março de 2016

Novo projeto literário: prazo final abreviado!


Caros amigos/parceiros/colaboradores/iluminatti em geral;
 
Por motivos de logística (necessidade de enviar o material para a gráfica até, no máximo dos máximos, a metade de abril para a obra infantil ficar pronta a tempo de participar da Feira do Livro de SM), estamos abreviando o prazo final para colaborações do projeto (se você não tem ideia do que se trata, procure dois posts abaixo aqui no blog, ou, se tem preguiça, aqui está: http://www.deletradj.blogspot.com.br/2016/02/novo-projeto-literario-2-em-1.html ) para até o dia 10 de abril!!
Depois disso, já eras, não vai ter lero-lero, nem vem cá que eu também quero!! 
Aproveite esta última sensacional oferta! É por tempo e exemplares limitados (espartanas 300 unidades)!!

Abraços (em especial para os que já colaboraram e para os que ainda colaborarão - para os outros, um não menos cortês, porém um tanto quanto seco, aperto de mão)!

Diego

domingo, 6 de março de 2016

Primeiros passos (por Juliano Lanius)


Na tentativa de mudar alguns dos nossos hábitos, aqueles que fazemos sem perceber e que tanto nos incomodam – como faltar à academia na segunda-feira, deixar a louça para o outro dia, ou mesmo fumar aquele cigarro depois do almoço, acompanhado de um cafezinho, é claro –, notamos o quanto é difícil deixá-los de lado ou abandoná-los. Ficamos tão dependentes de nossos atos cotidianos que os cometemos sem a menor noção de que podem nos fazer mal.

Ainda utilizando o cigarro como exemplo, começamos fumando nas festas, com os amigos, conhecidos, colegas e amigos dos amigos. Tudo não passava de uma curtição. Queríamos nos sentir “iguais” aos que nos rodeavam. Um ato, até então, sem consequências maiores. No começo, nem mesmo víamos muita graça naquilo tudo. Uma fumaça branca e espessa, um cheiro não muito agradável e um gosto na boca que pedia uma bala de menta. Fumávamos pelo status. Mas, depois de um tempo, o hábito de fumar, aliado a dependência física e mental que ele provoca, consumia todo o nosso dinheiro para o saboreio de mais algumas tragadas.

Quando adolescentes, até esboçamos alguma tendência a deixar o vício tabagista de lado. Afinal de contas, era um fétido vício. Éramos menores de idade, mas sabíamos exatamente o que estávamos fazendo. Até conseguíamos parar por alguns dias, semanas ou, até mesmo, meses. Contudo, na maioria do tempo, não nos esforçávamos realmente para conter a dependência que o fumo nos causava. Continuávamos fumando, intolerantes aos malefícios que, mais tarde, seriam evidentes.

Na maioridade, não escondíamos mais o vício. Fumávamos aos quatro ventos. Não nos importava quem nos visse fumando ou sentisse nosso cheiro de nicotina. Conseguíamos sustentar o hábito com nossas próprias finanças, não dependíamos de ninguém para fazer aquilo. Portanto, as pessoas não podiam nos julgar pelo que estávamos fazendo.

O tempo passou, e o vício nos acompanhou. Entre idas e vindas, rezamos o terço, jogamos fora o que restava de fumo em casa – e, no outro dia, compramos mais –, chupamos pastilha, frequentamos grupos de autoajuda e fizemos promessa – que não cumprimos, é claro. Mas nossa teimosia agora jogava contra nós mesmos. O hábito virara vício. Uma parcela do salário era religiosamente separada todo o fim de mês para a manutenção da rotina esfumaçada.

Percebemos, ao longo dos anos em que estivemos fumando, que algumas pessoas convivem pacificamente com o vício.  Fumam e vivem suas vidas normalmente. Aceitam-se, fumantes que são. Contudo, há aqueles que fumam às escondidas, nas varandas e sacadas por aí, longe dos holofotes. E as pessoas que convivem com estes fumantes, os fumantes anônimos, nem desconfiam. Ou, se desconfiam ou sabem, fecham os olhos.

Todos sabiam que fumávamos, e muitos não gostavam. Os que eram menos tolerantes conosco eram os mais próximos, como nossa mãe, nossa família, nossa namorada. Até hoje, quando damos nossas escapadinhas e nos deixamos recair, saboreando com incrível satisfação um Free Azul ou um Parliament depois do jantar, os olhares ainda são de través, sugerindo desaprovações e rancores.

A despeito de uma vida – ou, pelo menos, parte dela – inebriada pela fumaça, chega determinado momento em que estamos realmente aptos a abandonar este mau hábito, e sabemos que deve ser por nossa própria conta. A ajuda deve partir de dentro de nós mesmos. Já conseguimos alguns avanços, passamos dois dias sem fumar. Agora, vamos nos propor quatro dias.

Muitos dos fumantes que conheço dizem que conseguiriam parar quando achassem necessário, sem esforço nenhum, pois não se dizem viciados. Justificam seu argumento dizendo que, sim, fumam, mas por que gostam ou por que os relaxa. Pois eu lhes digo que não param, justamente por não se renderem ao fato de que são impotentes perante o próprio vício. A admissão da incapacidade de lidar com os nossos próprios fantasmas é um dos primeiros passos à mudança de comportamento que esperamos de nós mesmos. Assim como o do cigarro, nossos hábitos – aliás, somente os maus hábitos – podem acarretar, ao longo do tempo, prejuízos irreversíveis. Portanto, devemos admitir que não conseguimos ser fortes o suficiente para não mais roer as unhas, para não adiar o início das aulas de yoga e não repetir mais que duas vezes no almoço.

Portanto, que consigamos dar nossos primeiros passos, com atitudes – ou mudança de atitudes – que colaborem com o abandono do vício que temos, seja ele qual for. Admitamos que somos impotentes perante nossos maus hábitos, e que nossas vidas não se controlam mais. Pois, que consigamos reassumir o controle das nossas vidas. Que tenhamos a decência de nos aceitarmos viciados em Facebook, tarados por chocolate, alucinados por sudoku. Somente no dia em que aceitarmos quem realmente somos é que teremos a liberdade de escolher quem queremos ser.


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Novo projeto literário (2 em 1) !!



Ecco, amigos, lá vamos nós outra vez! : )

Depois do estrondoso sucesso da nossa parceria no "Histórias reais de amigos imaginários (e vice-versa)"  (eleito recentemente pela publicação internacional Bookstorm um dos 22 melhores livros de contos de autores canhotos e de barba de 2014 na América Latina) o Setor de Marketing (isto é, eu) da Hahn Solo Produções Literárias (piada interna com os fãs do Vader e cia, aproveitando essa nova onda da força - marketing é isso, amigo; infelizmente só não consegui descobrir como programar para as letrinhas amarelas irem subindo ao som triunfal de Wiliams aqui no e-mail - e embora também não, a princípio não vá aparecer nenhum jedi no nosso novo esquema...) tem o prazer e a honra e o júbilo e todos os redundantes sinônimos desses no mais de enviar aqui o convite para vocês, os nobres e seletos mais chegados (porque, a verba é importante, mas também não vamos associar nosso nome a qualquer um - como confio em vocês, porém, está dada a permissão para estenderem este convite a quem mais de vosso círculo acreditem que possa interessar!), para o nosso novo projeto literário a se realizar através do financiamento colaborativo, mais popularizado ultimamente como o tal crowdfunding (ou, em bom português, simplesmente a velha e boa "vaquinha", "passada de chapéu - ou ainda, como dizem sarcasticamente alguns camaradas e grandes incentivadores, "crau nos meus fundos", ou simplesmente "mais um golpe do Diego"... Filhos da )%*&@¨!!):

Pois bem, desta vez trata-se, como alguns já ouviram falar, de um audacioso projeto 2 em 1: são 2 obras (um mágico livro infantil, intitulado "Todas as crianças do mundo" - com a história por mim vislumbrada e agraciada em 2015 com a menção honrosa na V Edição do Concurso Literário Ignez Sofia Vargas e que será magistralmente ilustrada pelo camarada Mestre Byrata - , com previsão de saída já para a Feira do Livro de SM, em abril, e, aquele que seria o carro-chefe do projeto, um instigante livro de viagens, com o provável título "Viagens & outras viagens", e previsão de lançamento para o segundo semestre de 2016 - se tudo correr bem, isto é, se vocês colaborarem direitinho e tal...).

Para quem não sabe, através do sistema de crowdfunding temos o intuito de viabilizar financeiramente a obra com colaborações de parceiros, que receberão posteriormente em contrapartida pelas mesmas determinadas "recompensas" (exemplares das obras, agradecimentos nos livros, entre outros brindes fabulosos descritos logo abaixo), correspondentes à essa cota a qual aderiu.

E, bem, como sabemos que a crise está aí, também não vamos forçar a barra e chegar pedindo 100 mangos de cara, claro, então, olhem que barbada!, a primeira possibilidade de cota (Cota Unidos venceremos) é a partir de módicos mas valorosíssimos 25 reais, através dos quais o(a) amigo(a) colaborador(a) receberá em contrapartida o exemplar de 1 das obras, à sua escolha - com um agradecimento em seu nome (e/ou da sua empresa) impresso nos dois livros (ver, contudo, ressalva da observação ao final deste e-mail);

A segunda faixa (Faixa A Invasão das Onças Paraguaias - o título é em virtude do rebaixamento do valor desta faixa, que originalmente era de 50 reais) é a partir de 40 reais, tendo como recompensa 1 exemplar de cada uma das obras, mais, claro, o agradecimento impresso nos dois livros;
A terceira possibilidade de cota (Cota Família Buscapé) é a partir de 100 reais, através da qual se receberá 3 exemplares de cada uma das obras (assim tendo também essa boa opção de presente para amigos, parentes, cônjuges, etc, lá pelo fim do ano, em substituição às tradicionais cuecas e meias e tal...), com o devido agradecimento impresso (para colaborações a partir de 150 reais - Cota Petrobrás - , além das recompensas antes descritas há ainda a possibilidade de inserção de marca/logotipo da empresa parceira junto aos agradecimentos);

E a quinta faixa (Faixa Mestre dos Magos Amigos para Sempre) é a partir de 100 mil reais, através da qual se receberá, além dos 3 exemplares de cada uma das obras e do agradecimento, um GOL ZERO KM, novinho em folha!! (Só para constar: procurando se evitar problemas com a Receita, não aceitaremos colaborações acima de 1 milhão de reais!...)

As colaborações podem ser feitas pessoalmente, da sua pessoa para a minha quando nos cruzarmos por aí ou se quiser bater lá em casa ou mesmo se quiser que eu bata na sua - eu vou lá, não tem problemas, caminhar faz bem - , ou através de depósito na conta corrente (do Banco do Brasil) 28.716-4, Agência 0126-0 (Meu CPF - às vezes é necessário para algumas dessas transações eletrônicas - : 927563950-72).

Metas:
Livro infantil: R$ 2.600,00
Livro de viagens: R$ 4.200,00  
Total: R$ 6.800,00
 
Descrição dos custos:
Livro infantil:
Ilustração, revisão e editoração: sem custos*;
gráfica (300 exemplares): R$ 2.600,00
Livro de viagens:
Revisão: R$ 600,00; editoração: R$ 700,00;
gráfica (300 exemplares): R$ 2.900,00 
 *Viabilizadas através de parcerias.

Obs1: Se, ao final do período de colaboração, não se tiver atingido ao menos 70% do valor pretendido, a publicação do livro de viagens (que tem os maiores custos) será reavaliada, com a possibilidade de ser cancelada, nesse caso sendo oferecida ao colaborador a escolha de ter os valores correspondentes ao livro de viagens retornados (com exceção da faixa de 25 reais, que, nessa eventualidade, receberia como compensação um livro infantil; no mais, na seguinte proporção: além do número de exemplares do livro infantil ao qual terá direito, retorno de 20 reais se colaborou com 40; 50, se colaborou com 100; e a partir daí para cima sempre tendo a possibilidade de ser ressarcido com metade do valor com o qual colaborou) ou recebê-los em exemplar(es) do livro infantil, que será publicado de qualquer maneira, independentemente de metas minimamente atingidas ou não (obviamente nesse caso também os agradecimentos e logotipos dos patrocinadores constariam somente no livro infantil).

Obs2: Só, atenção: a validade do projeto é até final de abril, impreterivelmente!! Ou seja, as colaborações podem ser feitas até essa data (e, com exceção de alguma eventual atualização do andamento do projeto, não azucrinaremos com novos lembretes do período de colaborações, etc); assim sendo, e tendo em vista algumas repercussões do projeto anterior, quem quiser participar que se ligue!, para não ficar depois choramingando por não ver seu belo nome lá entre os agradecimentos (e também são somente 300, e não mais 500 exemplares!) porque não teve tempo de fazer a colaboração, ou esqueceu, ou estava no face ou no uáts, ou foi abduzido, ou o escambau...  e lembrando também que esses agradecimentos são exclusivamente pela participação NESTE PROJETO, não tendo neste caso relação com laços de amizade ou familiares, nem com o fato de a pessoa ter salvo minha vida um dia ou ter me dado um passe açucarado na final do torneio de futebol!!... Sem choro, fanfarrão(ona)!! Vá lá! Agora!! Não perca essa inacreditável oportunidade!!
 
:)
 
Desde já, valeu!, pros "de fé"!!

 Abraços!


 Diego
 
 

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Lugar alheio (por Juliano Lanius)


Sempre preservei um sentimento simpático ao cultivo orgânico de hortaliças, sem o uso de produtos químicos como fertilizantes e pesticidas. Temperos diversos e outras plantas podiam ser encontrados na minha casa, quando eu ainda tinha uma. Com alguns potes, baldes e bacias velhas, consegui fazer o que se podia chamar “mini-horta”. E justamente este meu passatempo hortifrutigranjeiro me fez perceber algumas coincidências que a vida joga, muitas vezes, ao longo do nosso caminho.

Uma das tarefas que exerci – entre tantos trabalhos que tive – foi preparar, diariamente, o almoço dos funcionários da empresa onde trabalhava. Aproximadamente sete ou oito pessoas. Resolvi, então, cultivar alguns temperos no pátio da firma, a fim de usá-los no preparo da refeição nossa de cada dia. Fiz uma lista com os temperos mais utilizados por mim, que não eram muitos: salsinha, cebolinha, alecrim, manjericão e um pouco de tomilho. Comprei as sementes. Escolhi o lugar: a parte superior do pilar que sustentava o telhado externo do pátio da empresa. Uma estrutura de tijolo à vista, envernizada e hermeticamente retangular. Fazia frente para o sol da manhã, perfeito para o cultivo de hortaliças. Com um espaço específico para uma floreira, onde imaginei que, algum dia, deveria realmente ter existido uma, o local era perfeito e decidi arrumar a tal horta.

Porém, notei que, há alguns dias, havia uma pombinha – daquelas cinzas, conhecidas como pomba-rola – que passava os dias sentada em uma das extremidades da floreira. Descobri, observando o local de seu descanso, dois ovos, ainda pequenos, sendo chocados pela nova hóspede do pilar de tijolo à vista. Adiei meus planos da horta empresarial. Com esse imprevisto, tive que aprender a prestar maior atenção à posição do Sol na minha própria casa, e ajustar minha horta para que produzisse mais. Assim, poderia suprir minha cozinha familiar e também a da empresa. Há males que vem para o bem.

Pode parecer bobagem, mas acredito que os fatos que aconteceram não tenham sido isolados. No final, todos permaneceram onde deveriam: em seus respectivos lugares. Eu, na minha casa. A pombinha, no seu ninho. O fato de ela – a pombinha – estar chocando seus futuros filhotes no mesmo lugar em que eu escolhera para o cultivo das minhas ervas não foi à toa. Nós dois saímos ganhando. A pomba permaneceu com seu ninho, que era mesmo seu por direito. E eu aprendi como observar melhor a fonte de luz que faria crescer minhas plantas, que serviriam de tempero para as comidas preparadas.

Eis um dos segredos da boa convivência, creio eu: reconhecer até onde vai o meu espaço, se é que pode ser chamado de “meu”. Eu não tinha o direito de tirar a pomba-rola dali, do lugar que ela mesma escolhera como seu para montar seu ninho e criar seus rebentos até que pudessem voar. Confesso que não recordo o que aconteceu com a pomba e seus filhotes. Mas, de uma coisa eu lembro, do sentimento que se manifestou em mim. Senti-me tranquilo, em paz. E simplesmente por não ter invadido o espaço alheio, por ter mostrado respeito e consideração, por uma pomba-rola.

Muitas vezes, é bom ficar quietinho, calado, imóvel, dentro do casulo. Muitas vezes, nossa opinião não é necessária, nosso sermão não convence. Temos que perceber o momento de conter os exageros para não incomodar o próximo. Ben Harper cantou: “They say if you love somebody, then you have got to set them free”. Dizem que se você ama alguém, então, você deve dar-lhe a liberdade. Deixe o outro no seu lugar. E fique você no seu.


terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Papai Noel não existe (por Diego T. Hahn)



Aproveitando a sincronia da temática com a época do ano, o nosso Setor de Marketing tem o prazer e a honra e o regozijo e o júbilo, entre outros sinônimos e mesmo pleonasmos de "alegria", de publicar aqui este texto, premiado no Prêmio Sesc de Crônicas "Rubem Braga" (Brasília/DF) no final de 2013 - na verdade, não lembro se já não havia sido publicado anteriormente aqui no blog, mas, como creio que não - pois só recentemente foram distribuídos pelo Sesc os exemplares impressos da coletânea com as crônicas vencedoras (o que garante a tranquilidade, para os autores que têm o intuito de divulgá-los na rede, a respeito de alguma eventual tentativa de furto virtual de propriedade intelectual :) - , e como de qualquer maneira estou com preguiça de verificar no histórico do blog, lá vai! (Ah, sim; aproveitando: Boas Festas e Bom 2016 a todos!):



Não lembro bem do exato momento em que esse fato se deu - o que me parece estranho, já que é de certa forma um divisor de águas: agora você é um mocinho, não é mais tão ingênuo, não acredita mais em tudo que te dizem, sabe que há muito mais coisas por trás das coisas por trás de todas as coisas, e às vezes as pessoas só querem te iludir e...

Bem, enfim, você entendeu: é um divisor de águas. Pois, como dizia, não lembro bem do exato momento em que descobri – ou me contaram – que o bom velhinho não existe, ao menos não aquele bom velhinho, que bom velhinho de verdade mesmo é o vovô e ele não dirige um trenó voador e ele tem como animal de estimação um protocolar cãozinho e não um bando de renas. Não lembro, aliás, se descobri por conta própria ou se alguém me contou, mas não creio que tenha restado algum trauma da revelação; ao menos não tenho registrado na memória algum choque decorrente de tal descoberta...

Penso nisso, no entanto, agora, ao sentir essa melancolia, essa nostalgia, essa tristeza misturada com alegria inundar meu peito, ao flagrar o palhaço, ainda todo maquiado, fora do picadeiro, fumando um cigarro e esbravejando algum palavrão em protesto contra alguma coisa que o incomoda ou contra as agruras da vida em geral, com um tom de voz e uma carranca totalmente diversos daqueles impostados naqueles mágicos momentos de alguns instantes atrás no decorrer do show.

Esse palhaço fora do picadeiro é a vida crua e real. Ele é a revelação que Papai Noel não existe mais uma vez sendo jogada na minha cara, depois de tantos anos.

Não só ele, na verdade, como qualquer artista em geral, quando o vemos “do lado de fora”, falando de qualquer futilidade do cotidiano, como a gente, nos dá uma certa sensação de “pertencimento” ao mundo, uma sensação de que a nossa vida não tem nada de excepcionalmente banal – ela é banal como todas as outras, mesmo aquelas das estrelas – e ao mesmo tempo de desilusão.

Pois sim. No fim das contas, é isso: vivemos de ilusão.

É como ver o ídolo do nosso time indo embora depois de anos de clube e jogando no rival, beijando a camisa adversária como um dia beijou a nossa; é como ver os erros de gravação de um filme; é como perceber que talvez não haja nada além dos erros de gravação.

Mas ainda assim vivemos e continuamos nos alimentando de ilusão. Por mais racionais e duros que sejamos, invocamos vez em quando nos nossos íntimos aquele resquício de magia que tem um quê de infantilidade – ou vice-versa – lá no fundo do peito. Apesar de termos certeza de que tudo isso aqui se resume tão somente a células, carne e barro vagando a esmo pelo espaço, olhamos da janela para o céu estrelado na calada da noite e nos permitimos viajar longe por alguns instantes, solitariamente, em segredo, sem que ninguém mais saiba, naquela nossa nave particular, buscando por um algo mais lá nos confins do universo – ou mesmo em alguma outra dimensão só nossa.

E assim, quando voltamos, por mais desgastados, ranzinzas e céticos que sigamos, continuamos rindo do palhaço – e, de vez em quando, nos flagramos até mesmo dando uma olhada meio de relance, como quem não quer nada, para a chaminé em meio à ceia de Natal.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Nossa Casa (por Juliano Lanius)


(E, voltando das cinzas do litoral catarinense, ei-lo: Mr. Lanius!)

A história de uma casa, dos habitantes que nela vivem e viveram e da relação entre estes moradores – que, mesmo residindo em épocas distintas, ainda assim, influenciam uns aos outros –, podem ser lidas nas marcas do tempo e na ação do homem sobre este lar. O canto da parede, quebrado por uma estante velha, na mudança de volta a casa da sua mãe. A mancha no tapete, deixada pelo cachorro Bob que já se foi. O armário da cozinha que não mantém mais a porta fechada, ou mesmo o bidê do banheiro que agora só serve de enfeite.

Tudo o que se encontra no interior de uma casa guarda um pouco da memória dos integrantes da família. A atual, que reside na contemporaneidade, e a póstuma, que habitou aquele lar em tempos já idos. Na casa da minha vó paterna, por exemplo, as estantes e prateleiras eram o suprassumo das recordações de como viveram meus antepassados. Ao abrir a porta inferior da estante, viam-se patas de animais silvestres empalhadas – lembranças das caçadas do vovô. Também era possível encontrar um abridor de garrafas gigante, trazido de Itu (SP), também pelo meu avô. Dizem que lá tudo é grande. Ao descerrar outra porta da tal estante, era possível olhar fotografias dos tempos de criança dos meus avós, em uma daquelas mini lunetas, sabem? Aquelas em que só era possível visualizar nitidamente a imagem quando direcionávamos o artefato para a luz. Lembram-se disso?

Contudo, o mais interessante, na época em que frequentava diariamente a casa da vovó, era sua máquina de costura. Eu ficava horas “pedalando”, assistindo a agulha subir e descer tão rápido quanto eu pudesse fazer girar aquela roda. Certa vez, quase perdi uma unha na máquina de costura da vovó. Concentrado em meus pensamentos, coloquei o dedo debaixo da ponta da tal agulha e baixei seu nível, com um toque sutil no pedal, até tocar a superfície da minha unha. Mergulhado no desafio de não furar meu dedo e, ainda assim, correndo o risco de fazê-lo, assustei-me com o barulho da vovó entrando no quarto e pedalei com força a máquina, o que fez com que a agulha penetrasse no meu indicador direito. Num reflexo impensado, puxei meu dedo para fora da máquina, deixando metade da unha na agulha. Pelo menos, restaram os outros 50%. Não contei a ninguém, pois sabia que vovó não gostava que mexessem em sua máquina. Afinal de contas, aquela geringonça foi o sustento da família por anos. Mas, no fundo, sei que ela adorava que falassem e tocassem nas coisas que pertenceram a sua família. Era a história passada adiante.

Todas as casas possuem detalhes que só aqueles que conhecem os 
cantos mais remotos da residência podem dizer o porquê de serem assim ou estarem ali. As casas e seus moradores possuem segredos entre si, os quais não revelam a ninguém. São confidentes, nas horas boas e nas ruins. As casas entendem seus moradores, e vice-versa. Só nós sabemos o cantinho mais fofo do sofá, ou qual almofada não faz doer as costas. Só nós sabemos qual panela não vai queimar o arroz e em quanto tempo o congelador leva para deixar aquela cerveja no ponto que gostamos. “Abre bem o chuveiro se não cai a luz!”, dizemos aos que nos visitam. Os moradores e suas casas sabem bem um do outro.

Contudo, há aqueles que não têm casa. Talvez o céu seja o destino fadado aos seus olhos cansados. Ainda assim, a rua não deixa de ser uma casa. Uma casa iluminada, durante o dia, por uma imensa luz chamada Sol. E mantida sob vigilância, na calada da noite, por uma guardiã chamada Lua. O Sol, nos dias frios, aquece a alma perambulante daqueles que não têm paradeiro. A Lua, junto com suas companheiras menores, as estrelas, ilumina o caminho incerto dos errantes. As ruas são os corredores da imensa casa onde habitam os desabrigados. As marquises, as praças e as vielas são os leitos destes corpos sujos e exaustos. Mesmo assim, tenho certeza de que ainda guardam nos farrapos as lembranças daquela esquina ou daquela rua, que lhes serviu de parada em certo momento da vida.

Enquanto isso, no abrigo de nossos lares, nossa cama ainda faz aquele rangido quando viramos de lado. Se estiver pensando em trocar a sua, lembre-se de que a velha, aquela que já tem seu corpo desenhado no colchão, já te fez bem. Deixe, então, que outro ainda faça proveito de suas derradeiras qualidades. Não a jogue ao vento simplesmente, ofereça a alguém. Proporcione um momento de felicidade e de pertencimento ao outro. Faça alguém sentir-se dono de sua própria cama, nem que seja por uma noite. Afinal de contas, quando não estivermos mais neste mundo, sem nossa casa, sem nosso lar, ou o que consideramos como um, restarão somente as lembranças. E que estas sejam felizes.


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Pelos sebos da vida: "Reparação", de Ian McEwan (por Diego T. Hahn)


Bom, depois de quase dois meses de ausência aqui do espaço (não vamos dar desculpas do tipo "muito trabalho", etc; foi por vagabundagem mesmo - ao menos da parte de um, que tá morando de frente pro mar...), que ocasionaram furibundos protestos da parte dos incontáveis fãs do De Letra ao redor do mundo, resolvemos dar cabo das traças virtuais  aqui e voltar à ativa com esta resenha, que, na realidade, já estava engatilhada há um bom tempo - e só ainda não havia sido publicada devido ao excesso de trabalho. He. Eis aqui então a nossa reparação - obviamente não podia deixar passar o tradicional  e infame trocadilho deletrista - :


Cara, enquanto remava lá pela primeira parte da leitura, e por mais esperança que lá no fundo pudesse nutrir, jamais imaginaria proferir na sequência esta sentença... Que pusta livro!! 
 
 
Mas Reparação, do inglês Ian Mc Ewan (não confundir com o Magneto, Ian McKellen), ao meu ver, é mesmo um teste de paciência; você precisa se armar dela para enfrentar as primeiras cerca de 80 páginas, que passam num determinado ritmo, um tanto quanto lento, com altas doses de ensebação num aparentemente dia qualquer (que, porém, ao cabo do primeiro ato não se mostraria um dia qualquer e cujo ápice deixa claro que tudo vinha sendo minuciosamente preparado desde a primeira página) de uma família aristocrata britânica. 

O McEwan...
 
De repente, saímos daquela pasmaceira anterior, num salto de uma página, para o meio da guerra - a Segunda Guerra Mundial. 

E o McKellen.
 
Além do "ganho literário" por si, a empreitada valeu também pelo aprendizado histórico, digamos assim, tendo ficado instigado a googlear na sequência e captar mais sobre a Linha Marginot, da qual já tinha ouvido falar vagamente - mas não sabia ao certo do que se tratava, confesso minha ignorância... e confesso também minha ignorância antes dessa leitura a respeito do espetacular episódio da evacuação de Dunquerque, retratado no livro (os aliados já haviam se aventurado pelo continente antes do dia D, porém haviam sido dramática, humilhante e literalmente corridos à bala, tendo que voltar numa enorme procissão humana esfarrapada para a costa francesa onde se aglomeraram ao longo da praia esperando pelos navios de socorro e sendo acossados constantemente pela impiedosa força aérea alemã), também conhecida como Operação Dínamo.

   Foto histórica de gigantesca "fila de espera" dos soldados aliados pelos navios de socorro em praia do oeste francês.
 
A história começa, como dito antes, com um dia aparentemente comum, na propriedade de uma tradicional família inglesa, quando Briony, uma garota de 13 anos e que gosta de escrever (peças, histórias, etc), vê a um certo momento da tarde da janela do seu quarto uma cena que a deixa intrigada e desconcertada: sua irmã alguns anos mais velha, Cecilia, sob o olhar do velho amigo de infância (e filho de uma empregada da família), Robbie, tira saia e blusa e mergulha, de calcinha e sutiã, na fonte do quintal. A partir daí e de uma sequência de suposições por parte da garota e de novos fatos que vão surgindo no decorrer daquela tarde/noite, acontece algo que marcará o futuro de todos os presentes naquela ocasião.

                            Como já dizia Raulzito: "Keira... basta ser sincero e desejar profundo..."
 
Por incrível que pareça, embora com a eterna e clichê ressalva a respeito da relação livro/filme, a obra cinematográfica (abrasileirada como Desejo e reparação - no original de filme e livro, em inglês: Atonement) conseguiu ser suficientemente fiel ao original literário e ao mesmo tempo dar uma arriscada (especialmente no final - devo confessar, até mesmo, que, como sou meio burro, o final do filme me ajudou a compreender melhor o final do livro), ao meu ver com relativo sucesso.
 
Bem, devo dizer que, apesar do clima um tanto quanto soturno do livro, algumas partes me fizeram até mesmo dar umas boas risadas - evidenciando a catega do autor britânico também no fino trato com a arte da ironia em certas passagens -, como esta, na qual Briony, então crescida, caminha pelas ruas da capital inglesa trajada como enfermeira e com um mapa nas mãos numa folga do hospital onde trabalha:
 
"Cada vez que o desdobrava, o mapa corria o risco de se despedaçar. E Briony temia a impressão que poderia causar. Os jornais falavam de paraquedistas alemãs, disfarçadas de enfermeiras e freiras, se espalhando pelas cidades e se infiltrando na população. O que as caracterizava era estarem sempre consultando mapas; ao falar com elas, podia-se identificá-las atentando para seu inglês excessivamente bem falado e pelo fato de que desconheciam as tradicionais cantigas infantis inglesas."
 
Outras, bastante reflexivas (especialmente o trecho em negrito mais abaixo, que poderia servir, inclusive, para uma avaliação mais ampla do nosso atribulado cotidiano, com todas as suas complicações no relacionamento com o outro):
 
"Parada no quarto, aguardando a volta dos primos, Briony deu-se conta de que poderia escrever uma cena como aquela ocorrida junto à fonte e que poderia incluir um observador oculto, como ela própria. Imaginava-se agora correndo para seu quarto, pegando um bloco de papel pautado e sua caneta-tinteiro de braquelita marmorizada. Já via as frases simples, os símbolos telepáticos se acumulando, fluindo da ponta da pena. Poderia escrever a cena três vezes, de três pontos de vista; sua excitação era proporcionada pela possibilidade de liberdade, de livrar-se daquela luta desgraciosa entre bons e maus, heróis e vilões. Nenhum desses três era mau, nenhum era particularmente bom. Ela não precisava julgar. Não precisava haver uma moral. Bastava que mostrasse mentes separadas, tão vivas quanto a dela, debatendo-se com a ideia de que as outras mentes eram igualmente vivas. Não eram só o mal e as tramoias que tornavam as pessoas infelizes; era a confusão, eram os mal-entendidos; acima de tudo, era a incapacidade de aprender a verdade simples de que as outras pessoas são tão reais quanto nós. E somente numa história seria possível incluir essas três mentes diferentes e mostrar como elas tinham o mesmo valor. Essa era a única moral que uma história precisava ter."
 
Além de questões como culpa e perdão, estão em jogo ao longo de toda a obra, como resumido na análise contida na contracapa, "uma reflexão sofisticada sobre a natureza da literatura, seus poderes e limitações".

Enfim, o cara pode até não ser o outro Ian - o McKellen - mas sua leitura também é magnética (eu sei, eu sei, perdão!) e, como particularmente foi o meu primeiro do autor britânico lido até aqui, ao cabo desta missão literária ficou a curiosidade atiçada a respeito de outras obras de sua autoria; assim sendo, se alguém aí tiver uma sugestão de alguma outra coisa quentucha de Mr McEwan - que me parece mesmo ser um autor não tão "explorado" em  terras tupiniquins, pelo que andei conversando na sequência desta leitura até com alguns supostos intelectuais e/ou pseudo-intelectuais locais, que igualmente não conheciam nada ou quase nada do cara - , trate de nos dar esse toque* (ou mande mesmo sua própria resenha pra gente postar aqui). Gratos.
 
 
*Só, por favor, não venham indicar os filmes dos X-Men - que os trocadilhos e piadinhas sem graça fiquem restritos às postagens no blog... Obrigado pela compreensão!